domingo, 1 de dezembro de 2013

CINE WINDSOR - Crônicas de Campinas






Lembro-me da primeira vez que fui ao cinema em um passeio escolar. Cheguei feliz e entusiasmado àquele cinema antigo, na Rua General Osório, no centro de Campinas, pois estava em cartaz o filme “Esqueceram de mim -1”.
O cinema encheu-se de inocentes almas de oito anos de idade, que sorriam, brincavam e saboreavam as pipocas que a inspetora de alunos trouxera para o lanche da turma, decerto comprada do velho pipoqueiro que trabalhava bem em frente.
Dizem que o Cine Windsor em tempos remotos fora o “Point” da sociedade campineira, e naquele dia era uma criança pura, que exibia bons filmes e recebia doces almas como as nossas.
Anos depois, o tradicional cinema resolveu amadurecer um pouco, mas uma maturidade meio que forçada, motivada pela concorrência dos Shoppings Center. A partir de então, começaram a ser exibidos filmes pornográficos, e apenas maiores de dezoito anos podiam adentrá-lo. Imagino o grau de devassidão que ocorreu em seu interior neste período, e o quanto seu ambiente outrora fino foi maculado pelos comportamentos pervertidos dos frequentadores.
Um pouco mais tarde definiu-se a decadência do Cine Windsor e suas portas foram fechadas. Ninguém mais buscava lazer naquele espaço, e seus limites tornaram-se refúgio de viciados em droga, mendigos e marginais.
Hoje, suas portas novamente abertas recebem uma comunidade evangélica que vai buscar redenção de seus pecados e benções divinas, e, em vez de bilheteria, agora existe em sua entrada uma pessoa que nos convida para ganhar o reino dos céus.
Na verdade, a vida deste cinema é igual à vida de muita gente que nasce pura, contamina-se com o mundo, cai e depois busca refúgio na religião e, assim como o Cine Windsor, só querem o Paraíso.






 

Crônicas de Campinas

Alexandre Campanhola

 
 
 
Imagens:
 
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário