sábado, 17 de setembro de 2016

AVENIDA AQUIDABAN - Um pouco de história


A Avenida Aquidaban é uma das principais avenidas do centro de Campinas. Ela tem seu início no limite da Rua José de Alencar e estende-se até a região do Bosque dos Jequitibás. É uma avenida com dois sentidos, extensa, caracterizada pela presença de inúmeros edifícios e estabelecimentos comerciais, pela grande movimentação de veículos e por envolver outra via de grande movimentação, a Via Expressa Waldemar Paschoal.




Mas, nem sempre a Avenida Aquidaban  teve esta grandiosidade e importância. Sua história começou a ser traçada após o final da Guerra do Paraguai, no século XIX, um conflito que durou seis anos, quando a tríplice aliança formada por Brasil, Argentina e Uruguai travaram uma guerra sangrenta contra as forças paraguaias do ditador Francisco Solano Lopes. O Paraguai era uma potência econômica e política naquela época. A guerra teve como motivo uma tentativa de contenção e enfrentamento dos paraguaios, que naquele momento desejavam fazer predominar sua supremacia e emancipação econômica. A guerra terminou em 1870, com a morte de Solano Lopes.





A última batalha entre os guerrilheiros no final da guerra, em 1870, ocorreu no Rio Aquidabã, localizado entre a cidade de Concepción, no Paraguai e o Estado do Mato Grosso. A palavra Aquidabã é de origem tupi-guarani e significa “entre rios, terras férteis e aguadas”.
Havia em Campinas uma pequena via próxima ao Lago do Tanquinho, no centro, que não tinha denominação. Prestando uma homenagem ao fim da Guerra do Paraguai, os vereadores campineiros determinaram que aquele pequena via se chamaria Rua Aquidaban, e teria o nome do rua onde ocorreu o último conflito da Guerra do Paraguai .

No princípio, a Rua Aquidaban era uma via estreita sem calçamento e pouco extensa. Com a chegada da ferrovia em Campinas e com a influência da Estação Ferroviária, a via cresceu no sentido do Bosque dos Jequitibás, sobretudo a partir de 1893, após a Epidemia de Febre Amarela.


Até 1970, a Rua Aquidaban era considerada uma via sem importância. Seus limites estavam entre o muro da Companhia Paulista de Estradas de Ferro e o Bosque. Porém, neste período houve um Plano de Remodelação da cidade, que previa transformar a Rua Aquidaban em uma grande avenida. Além do duplo sentido de circulação, em seu interior seria criada uma via expressa, denominada Via Expressa Waldemar Paschoal, destinada à circulação e fluxos dos veículos. Este Plano de Remodelação passou por uma alteração, em virtude de um movimento ecológico que temia impactos negativos sobre a mata do bosque. Por causa do alargamento da via, houve muitas desapropriações de imóveis para os quais foram pagos preços irrisórios. Surgiram muitas reclamações, posteriormente, porque a via era pouco utilizada por razão do baixo tráfego de veículos naquela época, mas isso mudaria nas décadas seguintes.

Em 1975, terminaram as obras da nova avenida e a partir desta data, a Via Expressa Waldemar Paschoal passou a ter grande importância no cenário urbano da cidade.





Inúmeros estabelecimentos comerciais e hotéis reconhecidos mundialmente instalaram-se em toda a extensão da Avenida Aquidaban. A avenida também se tornou importante por ligar a região central da cidade ao bairro Cambuí, e a região próxima ao Bosque dos Jequitibás e o Complexo Viário Joá Penteado. Em 2011, foi inaugurada uma ciclofaixa de lazer denominada Ciclofaixa Campinas – Cidadania em Movimento nesta avenida campineira tão conhecida.

Meus cumprimentos ao trabalho de disponibilidade de informação à WEB feita por meu amigo Wagner Paulo dos Santos.
E ao amigo Moisés H G Cunha pela contribuição com informações importantes.



Fontes:



ALEXANDRE CAMPANHOLA

Nenhum comentário:

Postar um comentário