sábado, 10 de setembro de 2016

CURIOSIDADES DE CAMPINAS: A fábrica da Singer




A Singer foi fundada em 1851, nos Estados unidos, por Isaac Singer. Naquele ano, o fundador obteve a patente da primeira máquina de costura realmente prática. Foram necessários onze dias de trabalho que resultaram em cinco pontos firmes e contínuos, para que Isaac Singer tivesse certeza de ter criado um novo produto que iria revolucionar o milenar processo de recortar, modelar, armar e unir pedaços de tecidos para confeccionar calças, camisas, casacos, vestidos, corpetes e tantas outras peças para vestuário.

 




A Singer já tinha produtos no Brasil desde 1858, quando foi aberto no Rio de Janeiro o primeiro ponto de vendas de máquinas de costura do país. Em 1889, a Singer foi a primeira empresa a introduzir o sistema de vendas a prazo no Brasil.


Mas foi em 1950, que a companhia chegou ao Brasil, em uma época que o mercado brasileiro estava em crescimento, assim como o processo de industrialização nacional.  A Singer adquiriu, em meados de 1950, a Fazenda Palmeiras, com 300 alqueires de terra e localizada no Bairro Viracopos, na época bairro do Descampado, município de Campinas.

Em 14 de maio de 1955, ocorreu a inauguração da fábrica da Singer com a presença do então Presidente da República Café Filho e do Governador do Estado de São Paulo Jânio Quadros.





Surgia a Companhia Industrial Palmeiras de Máquinas e Móveis.

 
Na época da inauguração, a Singer empregava 548 pessoas. Em 1958, devido ao rápido crescimento, a fábrica fazia sua primeira exportação de 200 máquinas para o Chile. A fábrica de Campinas produzia modelos para exportação, como máquinas de costura doméstica, óleo Singer e agulhas.

Em 1960, a Singer lança a primeira máquina de costura fabricada no país, a Máquina 15C, conhecida como pretinha. Também naquele ano foi lançado o modelo ziguezague.

 



Até 1965, os funcionários da Singer iam e voltavam do trabalho por meio de um trem especial. Como a estrada de acesso à fábrica, hoje Rodovia Santos Dumont, que liga Campinas a Sorocaba, era precária, e como a linha de trem Sorocabana passava atrás da fábrica, foi feito um acordo para que houvesse um trem especial para os funcionários. Estes funcionários pegam o trem na estação Bonfim às seis e meia da manhã. 
 
 
 
 
 
 
 
O percurso durava quase uma hora e o pessoal desembarcava em Descampado, estação que ficava nos fundos da área fabril.
 
 
 
 
 
 
Havia um desvio que levava os trilhos para dentro da Singer e era comum na época se ver os vagões estacionados lá, carregados de madeira bruta. Em 1966, com a implantação do transporte rodoviário, o trem de funcionários foi desativado.

 
Na década de 70, foi lançada pela Singer a máquina Athena, primeiro modelo eletrônico com facilidade na seleção de pontos, com desenhos circulares, flores e motivos infantis, luz embutida e duas velocidades.

 
 
 

Já na década de 80, o modelo industrial 20U, antes fabricado no Japão, começou a ser fabricado no Brasil. Este modelo era sinônimo de máquina de costura ziguezague semi-industrial. Nesta década, surgiu uma ocupação irregular e desordenada de moradores nas proximidades da fábrica, entre o cruzamento das Rodovias Santos Dumont e Vinhedo, no caminho para o Aeroporto Internacional de Viracopos,  que se constituiu em um bairro chamado Cidade Singer.


 



Em 1990, a Singer lançou a primeira máquina overloque doméstica. Seu número de funcionário ultrapassava o número de mil trabalhadores.

Em 1997, a produção da Singer começou a ser transferida para o município de Juazeiro do Norte, no Ceará, devido à transferência de inúmeras confecções para aquela região. Em 2005, toda a fábrica já estava no novo endereço.





Atualmente a construção recebe o nome de Fabri-K e recebe eventos artísticos.
 
 

 



Fontes:

http://www.estacoesferroviarias.com.br/trens_sp_2/singer.htm

http://correio.rac.com.br/_conteudo/2013/04/capa/campinas_e_rmc/51117-moradores-protestam-por-melhorias-na-cidade-singer.html

 
 
ALEXANDRE CAMPANHOLA

10 comentários:

  1. Minha máquina é Singer, modelo novo. A anterior, ficou velhinha demais! rsrsrs Não troco de marca de jeito nenhum!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é uma marca muito boa! A Singer teve importância grandiosa no crescimento industrial da cidade de Campinas.

      Excluir
  2. TRABALHEI NA SINGER DE MAIO DE 2958 A SETEMBRO DE 1964, NA SEÇÃO DE AGULHAS.
    A IDA PARA A EMPRESA NESSE PERÍODO ERA DE ÔNIBUS, E SÓ A VOLTA ERA DE TREM. ANTONIO CARLOS DA SILVA - antonicarlos@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. Admitido na Singer como escriturário em maio de 1958.

    ResponderExcluir
  4. Década de 70, A Singer era sinônimo de empregabilidade na região de Campinas.
    Morei em Adamantina-SP e tive varios amigos que vieram trabalhar na empresa.

    ResponderExcluir
  5. Década de 80, teve início o exodo rural de pessoas procurando melhores condições de vida, quando muitas vieram para os grandes centros industriais.
    A Singer Corporation em Campinas era um dos focos.
    Não tive oportunidade, mas teria muito orgulho de fazer parte dessa empresa.

    ResponderExcluir
  6. Gostaria de saber se uma máquina gigante de propaganda da Singer, ficava em frente a fábrica ou ficava na Rodovia Anhanguera??

    ResponderExcluir
  7. Também lembro dessa máquina gigante. Eu era criança nesta época. Alguém tem alguma informação histórica sobre esta máquina gigante?

    ResponderExcluir
  8. E o outdoor gigante da Singer na entrada da cidade, vc pulou essa parte?

    ResponderExcluir